Unoficial Ki Society

Escrito por Carol Shifflett, Virginia Ki Society
Traduzido por Jaqueline Sá Freire (Hikari dojo).
Revisado por Ricardo Martins

http://unofficial.ki-society.org/Probs.html

“Ah! Ele está caindo para agradá-la.”

Uma queda de Aikidô pode parecer incrivelmente leve e sem dificuldades, então não é difícil acreditar que seja uma farsa. Mas, não é. É Física.

As Leis da Física são tão claras em uma aula de Aikidô quanto em uma descida de esqui. Se você já foi um esquiador iniciante, você sabe por dolorosas experiências o quanto essas forças podem ser devastadoras. Dizer que um atacante caiu para ajudar outro Aikidoísta é como dizer que o esquiador principiante caiu para agradar a montanha.

Esquiador

O esquiador que tem prática aprende a usar estas forças; uma pequena mudança no peso ou na posição determina se ele vai colidir com uma árvore ou deslizar suavemente por uma curva montanha abaixo. Para o iniciante frustrado, um esquiador com prática deslizando pela neve parece tão improvável quanto ver um aikidoista adiantado voar através do tatame – mas nenhum deles está fingindo.

Esquiador

“Isso parece muito com uma dança – Isso não pode funcionar.”

O que é a dança? É o movimento controlado. Observe Fred Astaire e Ginger Rogers, ambos movendo-se em harmonia, girando pelo salão com controle perfeito.

O que teria acontecido se Fred largasse Ginger em um momento critico é que ela teria voado através do salão e caído.

Fred Astaire e Ginger Rogers

O que acontece quando um Aikidoista larga o atacante em um momento critico? O atacante voa através da sala e cai.

Sim, é como uma dança.

Sim, isso funciona.

Eu acho que o Aikidô é a mais difícil das artes marciais que se pode aprender. Ele exige habilidade, leveza e senso de tempo, assim como o ballet clássico.                   – Jearl Walker , médico.

A genialidade do Aikidô é o que transforma o mais violento ataque, ao recebê-lo, em uma dança.          — George Leonard.

Ballet Clássico

“Não funcionou.”

É importante que se defina o que significa “funcionar” ou “não funcionar”. Se alguém o agarra, e você não quer que ele faça isso, você tem várias opções. Algumas técnicas (especialmente as conhecidas como kokyunages) dependem de que o atacante (uke) esteja segurando a pessoa que se defende (nage); ele só corre o risco de ser arremessado enquanto segura o “nage”. Se ele o larga, você não tem como arremessá-lo. Mas, se sua intenção era convencê-lo a larga-lo, e ele o faz, então sua técnica “funcionou”. Você não tem que jogá-lo no chão para atingir sua meta.

Tango Argentino

Por outro lado, se seu propósito é aprender uma técnica, há outras coisas a considerar. Alguns alunos têm medo de cair. Outros acham que arremessar o colega é estar “ganhando” e ser arremessado é “perder”. Consequentemente, muitos iniciantes reagem a cada movimento ou largam o colega assim que sentem que podem cair – E, confundem a parada ou a mudança de seu ataque com falha da técnica do “nage”.

No Aikido não há derrota. Aprendemos a atacar de maneira correta e aprendemos a cair para ajudar os outros a aprender. Eles farão o mesmo por você. Você “vence” ao ser um bom professor.

Vencer significa vencer a discórdia dentro de você mesmo. Quem tem a mente distorcida, uma mente de discórdia, já está derrotado desde o início.     — Morihei Ueshiba (Fundador do Aikido)

“Mas ele podia ter feito outra coisa…”

Sim. Mas, não se preocupe com isso. As possibilidades de ataque e de defesa são ilimitadas. No início, o Aikidô é como o início da aritmética: fazemos um certo ataque com determinada energia para praticar uma determinada resposta ou suas variações. O cálculo, com suas múltiplas variáveis, vem depois. No momento, use a energia apropriada, responda com a resposta apropriada. É assim que aprendemos.

Ki – Energia

“O que é Ki? Você realmente acredita que seja real?”

Os Aikidoistas pensam no “Ki” como a energia universal ou o espírito presente em todas as coisas – o que pode ser um conceito difícil para os ocidentais. A idéia de estender uma corrente de energia de seus dedos até os confins do cosmos vai contra seu senso de realidade. Enntão, pense nisso como sua “atenção” ou sua “mente” e use as idéias como ferramentas, como Einstein e seu hipotético facho de luz; se fosse verdade, o que você veria? O que aconteceria?

Einstein “realmente” “cavalgou” um facho de luz? Não no sentido comum, mas o pensamento era “real” pois produziu resultados “reais” – ele era capaz de visualizar usando esta imagem e o que ele viu é agora considerado, na verdade, muito real. Se você começar um teste de “ki” imaginando-se enraizado no centro da terra, você está fisicamente ligado a bilhões de toneladas de água e rochas? Não “realmente” – Mas, se seu pensamento resultar em estabilidade e poder, então que é “real”?

Use o conceito de Ki como uma hipótese de trabalho. Logo você poderá desenvolver suas próprias idéias de o que é e como funciona para você.

Aikido

“Você já usou seu Aikido”?

No sentido comum de ataque e defesa física, não. Em um sentido mais amplo, eu o uso todos os dias. O “Budo”, o “caminho” ou a “via” do samurai Japonês, é geralmente traduzido como “o caminho da espada”. Mas, o significado dos caracteres na verdade é “o caminho para cessar o uso da espada”.

O Aikidô enfatiza o controle da situação – e de você mesmo. A autodefesa é um efeito colateral de algo muito mais profundo. O Aikidô, o Caminho da Harmonia, é um caminho que vale a pena ser trilhado. E, pode ser trilhado por toda a vida.

Bruce Lee & Chuck Norris

Se você usa uma força negativa contra outra força negativa, sempre haverá uma colisão. Mesmo que você vença, você sempre estará perdendo. Então, eu sempre mudo meu caminho para evitar um confronto. Esta minha atitude provavelmente é a razão de eu nunca ter precisado usar o karatê de maneira agressiva fora do tatame.                      – Chuck Norris.

Carol Shifflett
Virginia Ki Society

http://www.vakisociety.org/
http://unofficial.ki-society.org/Probs.html

Copyright (c) by Ki Society International.