Ricardo Martins 3º Dan (Aikido Tradicional)

CREF 00482-P/RJ, Grau Prêto em MuayThai e KickBoxing, Treinador de Boxe, CrossFit – L1 Trainer, Coach especializado em Treinamento Físico Funcional e Pilates

“O grande homem”

“O grande homem”

Mantém o seu modo de pensar independentemente da opinião pública.
É tranqüilo, calmo, paciente, não grita e nem se desespera.
Pensa com clareza, fala com inteligência, vive com simplicidade.
Não é do passado e nem do futuro, mas vive o presente.
Sempre tem tempo.
Não despreza nenhum ser humano.
Causa a impressão dos vastos silêncios da natureza: o CÉU.
Não é vaidoso.
Como não anda à cata de aplausos, jamais se ofende.
Possui sempre mais do que julga merecer.
Está sempre disposto a aprender, mesmo das crianças.
Vive dentro do seu próprio isolamento espiritual, aonde não chega nem o louvor nem a censura.
Não obstante, seu isolamento não é frio: Ama – Sofre – Pensa – Compreende.
O que você possui, dinheiro, posição social, nada significam para ele.
Só lhe importa o que você é.
Despreza a opinião própria tão depressa verifica o seu erro.
Não respeita usos estabelecidos e venerados por espíritos tacanhos.
Respeita somente a Verdade.
Tem a mente de homem e coração de menino.
Conhece-se a si mesmo, tal qual é, e conhece a Deus.”

Retirado do site do Sensei Severino Sales FEBRAI
Autor: Celso Charuri
Referência:

http://www.febrai.com.br/pagina.php?opm=2&mod=2

  • 0 Comments
  • Filed under: Geral
  • Formas Primordiais

    Princípio do Sanmi-Sangen

    Formas Primordiais

    Desde de seu surgimento a humanidade se desdobrou em algumas representações universais.  Saiba como elas nos influenciam e vivem até hoje.

    Letícia de Almeida Alves

    Quadrado – um dos quatro símbolos fundamentais juntamente com o centro, o círculo e a cruz, é o símbolo da terra em oposição ao céu. É uma figura anti-dinâmica, ancorada por quatro lados. O quadrado implica em uma idéia de estagnação, de solidificação, de estabilização da perfeição.

    Triângulo – O triângulo eqüilátero simboliza a divindade, a harmonia e a proporção. O eqüilátero cortado em dois é o triângulo retângulo. O triângulo com a ponta pra cima simboliza o fogo e o sexo masculino enquanto que apontando para baixo, a água e o sexo feminino.

    Círculo – Perfeição, homogeneidade, ausência de distinção ou de divisão. O círculo simboliza o céu cósmico. No zen-budismo, os desenhos de círculo concêntricos simbolizam as etapas do aperfeiçoamento interior. A forma primordial é a espera, o ovo do mundo. É o símbolo do tempo, da roda da vida.

    Referências:
    http://portalcienciaevida.uol.com.br/ESLH/edicoes/7/artigo77178-6.asp

  • Comments Off
  • Filed under: Informações Relevantes
  • O Treinamento.

    Moriteru Ueshiba

    aikido

    O Treinamento.

    Faça uma reverência sempre ao entrar ou sair do tatame, com uma reverência em direção ao “shomen” e ao retrato do Fundador. Minutos antes da prática, esteja aquecido, sentado formalmente segundo a hierarquia e em meditacão silenciosa, importante para esvaziar a mente dos problemas do dia e preparar-se para o estudo.

    A aula inicia e termina com uma cerimônia formal. É importante que não se atrase e participe dessa cerimônia. Mas, se houve um motivo para o atraso, deverá esperar, sentado formalmente ao lado do tatame, até que o instrutor autorize a juntar-se à turma.  O aluno é o principal responsável pelo seu desenvolvimento no Aikido. Tanto o instrutor como os alunos mais avançados irão apenas mostrar o caminho a ser seguido, mas quem vai percorrê-lo será o próprio aluno. Além disso, parte considerável do aprendizado vem da observação eficiente das técnicas mostradas. Antes de pedir ajuda ao instrutor, recomenda-se que o aluno primeiro procure entender observando seus parceiros e depois tente imitá-los.

    O treinamento de Aikido se dá de uma forma cooperativa, não competitiva. Técnicas são aprendidas através do treinamento com um parceiro, não um oponente. O praticante deve estar sempre atento, no sentido de poder sempre controlar a velocidade e a potência dos golpes de acordo com as habilidades de seu parceiro.

    O treino de Aikido; às vezes; poderá ser um pouco frustrante. Aprender a conviver com essa ocasional frustração também faz parte do aprendizado.  Os praticantes precisam observar dentro de si mesmos para descobrir a origem dessa frustração e insatisfação com o seu progresso. Às vezes a causa é na verdade uma tendência em comparar-se com outros praticantes. E esta comparação é, na sua essência, uma forma de competição. é uma atitude muito digna admirar o talento dos outros e tentar estimulá-los de alguma forma. Mas, deve-se tomar cuidado para não ocorrerem comparações, evitando-se futuros ressentimentos e autocríticas desnecessárias.

    A mente e o corpo devem ser dirigidos, ambos, para a mesma tarefa. A mente guiando e o corpo seguindo. Às vezes a mente e o corpo se opõem porque trabalham em direções opostas, fazendo com que nos tornemos menos eficientes em tudo que tentamos fazer. Em Aikido não usamos a força física, de uma forma bruta. Ao contrário, aprendemos a relaxar todo o corpo para que a mente comande, sem inibições, a ação física. Como a força está também na mente e não somente no corpo, o Aikido é igualmente eficiente para homens, mulheres, jovens e idosos.

    As técnicas do Aikido envolvem inúmeros métodos ou movimentos diferentes. O Aikido pode ser empregado de uma posição sentada ou em pé, com ou sem armas, como a espada e o bastão. Aprendemos a nos defender contra todas as formas concebíveis de ataque, incluindo ataques em grupo.

    No treino o Aikido toma a forma da esgrima japonesa. Estudamos a relação dos quadris com as mãos e os pés, usada na esgrima e a aplicamos então nas técnicas de Aikido. Aikido é uma arte diversificada e não uma rotina monótona e cansativa. Podemos treinar indefinidamente e sentir que há sempre mais a aprender.

  • Comments Off
  • Filed under: Kojira Jyuku Kanie Dojos
  • Meditação

    Zazen

    Zazen – Meditação Sentado

    Meditação
    Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Medita%C3%A7%C3%A3o

    Meditação consiste na prática de focar a atenção, freqüentemente formalizada em uma rotina específica. É comumente associada a religiões orientais. Há dados históricos comprovando que ela é tão antiga quanto a humanidade. Não sendo exatamente originária de um povo ou região, desenvolveu-se em várias culturas diferentes e recebeu vários nomes, floresceu no Egito (o mais antigo relato), Índia, entre o povo Maia, etc.  Apesar da associação entre as questões tradicionalmente relacionadas à espiritualidade e essa prática, a meditação pode também ser praticada como um instrumento para o desenvolvimento pessoal em um contexto não religioso.

    Etimologia
    A palavra meditação vem do Latim, meditare, que significa Voltar-se para o centro no sentido de desligar-se do mundo exterior e voltar a atenção para dentro de si.  Em sânscrito, é chamada dhyana, obtida pelas técnicas de dharana (concentração), no chinês dhyana torna-se ch’anna e sofre uma contração tornando-se Ch’an e Zen em japonês.

    Definição
    A meditação costuma ser definida da seguinte maneira:
    * um estado que é vivenciado quando a mente se torna vazia e sem pensamentos;
    * prática de focar a mente em um único objeto (por exemplo: em uma estátua religiosa, na própria respiração, em um mantra);
    * uma abertura mental para o divino, invocando a orientação de um poder mais alto;
    * análise racional de ensinamentos religiosos (como a impermanência, para os Budistas)

    Prática
    É fácil se observar que nossas mentes encontram-se continuamente pensando no passado (memórias) e no futuro (expectativas). Com a devida atenção, é possível diminuir a velocidade dos pensamentos, para se observar um silêncio mental em que o momento presente é vivenciado.  Através da meditação, é possível separar os pensamentos da parte de nossa consciência que realiza a percepção.

    Duração
    Vinte a trinta minutos é provavelmente a duração típica de uma sessão de meditação. Praticantes experientes frequentemente observam que o tempo de suas sessões de meditação se prolongam com o tempo.

    Objetivos
    Os objetivos podem variar, assim como as técnicas de execução. Ela pode servir simplesmente como um meio de relaxamento da rotina diária, como uma técnica para cultivar a disciplina mental, além de ser um meio de se obter “insights” sobre a real natureza ou a comunicação com Deus.  Muitos praticantes da meditação têm relatado melhora na concentração, consciência, auto-disciplina e equanimidade.

    Variantes
    Existem métodos que vem conquistando grande aceitação no ocidente, como a meditação feita em pé conhecida o zhan zhuang, devido a sua simplicidade e eficiência é muito praticada na China e Europa. É facilmente executada por pessoas com pouca flexibilidade e dificuldades nos joelhos e coluna, melhorando inclusive a postura. Facilmente praticada em qualquer local é um excelente método procurado por muitos praticantes de artes marciais experientes ou mesmo iniciantes.  Esta prática é muito efetiva na redução do estresse.

    Contexto
    A divulgação das práticas de meditação no mundo contemporâneo recebeu uma grande contribuição das técnicas milenares preservadas pelas diversas culturas tradicionais do oriente. Nas filosofias religiosas do oriente, como, Bramanismo, Budismo e suas variações como o Budismo Tibetano e Zen, Tantra e Jainismo, bem como nas artes marciais como I-Chuan e Tai Chi Chuan, a meditação é vista como um estado que ultrapassa o intelecto, onde a mente é posta em silêncio para dar lugar à contemplação espiritual. Esse “calar a mente” induz uma volta ao centro (meio, daí meditar), para o vazio interior.

    Bibliografia:

    * American Psychiatric Association. (1994). Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, fourth edition. Washington, D.C.: American Psychiatric Association.
    * Austin, James H. (1999) Zen and the Brain: Toward an Understanding of Meditation and Consciousness, Cambridge: MIT Press, 1999, ISBN 0-262-51109-6
    * Azeemi, Khwaja Shamsuddin (2005) Muraqaba: The Art and Science of Sufi Meditation. Houston: Plato, 2005, ISBN 0-9758875-4-8
    * Carlson LE, Ursuliak Z, Goodey E, Angen M, Speca M. (2001) The effects of a mindfulness meditation-based stress reduction program on mood and symptoms of stress in cancer outpatients: 6-month follow-up. Support Care Cancer. 2001 Mar;9(2):112-23.PubMed abstract PMID 11305069
    * Craven JL. (1989) Meditation and psychotherapy. Canadian Journal of Psychiatry. Oct;34(7):648-53. PubMed abstract PMID 2680046
    * Davidson RJ, Kabat-Zinn J, Schumacher J, Rosenkranz M, Muller D, Santorelli SF, Urbanowski F, Harrington A, Bonus K, Sheridan JF. (2003) Alterations in brain and immune function produced by mindfulness meditation. Psychosomatic Medicine 2003 Jul-Aug;65(4):564-70. PubMed abstract PMID 12883106
    * Bennett-Goleman, T. (2001) Emotional Alchemy: How the Mind Can Heal the Heart, Harmony Books, ISBN 0-609-60752-9
    * Hayes SC, Strosahl KD, Wilson KG. (1999) Acceptance and Commitment Therapy. New York: Guilford Press.
    * Kabat-Zinn J, Lipworth L, Burney R. (1985) The clinical use of mindfulness meditation for the self-regulation of chronic pain. Journ. Behav. Medicine. Jun;8(2):163-90. PubMed abstract PMID 3897551
    * Kutz I, Borysenko JZ, Benson H. (1985) Meditation and psychotherapy: a rationale for the integration of dynamic psychotherapy, the relaxation response, and mindfulness meditation. American Journal of Psychiatry, Jan;142(1):1-8. PubMed abstract PMID 3881049
    * Lazar, Sara W.; Bush, George; Gollub, Randy L.; Fricchione, Gregory L.; Khalsa, Gurucharan; Benson, Herbert (2000) Functional brain mapping of the relaxation response and meditation [Autonomic Nervous System] NeuroReport: Volume 11(7) 15 de Maio 2000 p 1581–1585 PubMed abstract PMID 10841380

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Medita%C3%A7%C3%A3o

    Wikipedia

  • Comments Off
  • Filed under: Meditação
  • Shihan Yamada Yoshikazu 7º Dan Aikikai no Rio

    10614179_882238155141880_2639330840790812130_n

    64392_10204379470080145_1867086546708249583_n

    546782_10151244770168607_1778832007_n

    539918_400990276638890_128548319_n Read the rest of this entry »

  • 0 Comments
  • Filed under: Aikidô, Geral
  • yamada

  • 0 Comments
  • Filed under: Geral
  • Lembre-se:

    Não submeta o seu caminho a qualquer pseudo-mestre. CUIDADO! Kimono, Obi, Hakama, Sensei, Shihan, Dojo, Bokken, Jo, Uke, Nague, Keiko são acessórios... E, preste atenção ao discurso porque a maioria das pessoas está geralmente tão confusa quanto eu e você...

    Frase do Dia:

    Está se sentindo desorientado (seu "aiki" não está rolando), não sabe o caminho (DO) que deve seguir, tem problemas existenciais, precisa de aconselhamento. Percebe que uma "intervenção", no seu caso, é necessária porque já identifica problemas somáticos, psíquicos ou psicossomáticos.
    Não procure uma arte marcial, yoga ou atividade física. Nenhum "sensei", nenhum "shihan" por mais "graduado", experiente, maduro e inteligente que esta "divindade" seja vai te ajudar. Filiações não funcionarão, tampouco... Não perca seu tempo com guru, sensei, shidoin, shihan, Krus, do, jutsu etc... Você precisa de um profissional competente e devidamente habilitado para te ajudar no restabelecimento de seu bem-estar e de sua saúde.

    Arquivos:

    Posts mais recentes:

    Recent Trackbacks:

    Categorias:

    Caro(a) Colaborador(a):

    Sugestões inteligentes, críticas edificantes serão sempre muito bem vindas.

    Entenda, por favor, que todo ser humano comete erros e se engana apesar dos cuidados tomados e de todas as revisões feitas antes da publicação.

    Ao encontrá-los, não se acanhe, entre em contato para que possamos melhorar os serviços, por gentileza.

    Muito obrigado

    Ricardo Martins
    sensei@ricardomartins.pro.br